Diálogos – restaurante da Rua do Catete, Ryo

A Rua do Catete é um cenário muito interessante. Gosto de observar o cotidiano dos caryocas  que vivem por ali. A dona-de-casa que passa com as sacolas de frutas e verduras, a criançada indo pra escola, o senhor de boina lendo o jornal, o taxista sintonizando uma rádio, a mulata que vai pro trabalho, o casal de idosos caminhando len-ta-men-te… ao fundo, estáticos, os casarões (felizmente) preservados observam a vida passar.

Parágrafo bonitinho, rs… mas quedê os marydos desse post?

Tá, chega de fazer a linha poeta. Confesso: adoro 01 garçom de  01 restaurante na Rua do Catete, rs! <3 Todo trabalhado na agilidade, no bom atendimento, no sorriso… e, para a nooooooossa alegria, o bofe trabalha de terno, além de usar um ~anel de micheline~ no dedo polegar (leia-se típico cara da ZN que sabe fazer o lelelê, rs). APHE, passo mal quando ele me atende!

*todas desconcentra e derruba o garfo*

Vem cá, quem acha que isso é mais um motivo pra gostar da Rua do Catete? o/ PÁ!

Deu-se que, indo pagar a conta, ainda umidificando pela proposta polegar, puxo conversa com a atendente de caixa  – que parecia ser muito simpática.

– Boa tarde! Tudo bem?! *joga o carisma*

– Tudo, e vc? *educada*

– Tranquilo, rs. Aê, vc tem o melhor emprego desse restaurante… *entrega a conta e o cartão*

– Pq é o melhor? *fica curiosa*

– Pq tem uma tv enorme de frente pra vc… e, além disso, vc ainda fica vendo aquele garçon lindo que trabalha aqui, rs. *indica a proposta polegar pra ela sissituar*

– HAHAY! *bate palma, joga a cabeça pra trás e mostra 05 albiturações*

– Que foi? Vai dizer que ele não é bom? *indignado*

– Juntando os homens daqui tudinho, num dá um homem bom! *faz a ryca*

– Mulher, como vc é exigente, rs!

– Sou nada, ele é um gatinho mesmo… mas acho que vc tá brincando comigo. *confusa*

– BRINCANDO? Tô falando sério, gatha! Um homem desses… eu lavaria as cuecas no sabão de côco, todo santo dia! *desabafo*

– HAHAY! *começa a acreditar em mim*

– Faz o seguinte: depois do expediente, encosta nele… e diga que tem um cliente que gostaria de conhecê-lo. Daí a gente vê o que ele diz, rs…

– Tá! *dá uma resposta curta e se concentra fortemente na maquininha do cartão, rs*

– Brygada! *recebe a nota fiscal e o cartão*

– Mas eu acho que ele não “curte”… *joga água fria*

– Ei, deixe de ser da oposição! Não vou mais te convidar pra ser a madrinha, rs! *faz chantagem*

– Tá bom… pode deixar que eu vou dizer!

OREMOSH.

Anúncios

Prelúdio

Há algum tempo eu queria escrever um blog gay.
Convidei uns amygos pra tocar esse barco, mas eles não animaram muito… #shatiada
No fim, acho que foi melhor. Ao ~mendo~ fica tudo com um estilo próprio, de quem não tem a pretensão de convencer o viado desocupado alguém que vier a ler este blog… mas quer relatar, de forma divertida e inusitada, a busca (incessante? rs) por 01 marydo, além de compartilhar algumas opiniões sobre o nosso “mundo”.

*todas aplaude*

Vamos ver se a coisa vai engatar(OI?) ou vai se perder na virtualidade…